Imigração Alemã > Pesquisa > Famílias imigrantes > HEINRICH JACOB ALTMEYER (*1807 em Dillendorf +1901 em Novo Hamburgo)

familias-imigrantes



HEINRICH JACOB ALTMEYER (*1807 em Dillendorf +1901 em Novo Hamburgo)

Segundo Carlos Henrique Hunsche & Maria Astolfi, O Quatriênio 1827 - 1830 da Imigração e Colonização Alemã no Rio Grande do Sul, Editora G&W, Porto Alegre, 2004, página 407: Heinrich Jacó Altmayer (Altmeyer), número 1007 (1827 VII 547), nasceu no dia 25 de novembro de 1807 em Diellendorf, perto de Kirchberg, no Hunsrück, na Renânia Palatinado, batizado no dia seguinte em Kirchberg, e seu padrinhos forma: Heinrich Jacob Christ e Anna Maria Münch, ambos de Nieder Kostenz, no Hunsrück, na Renânia palatinado, Jacob faleceu no dia 10 de março de 1901 em Hamburgo Velho, casou-se no dia 06 de julho de 1828, com Maria Madalena Kuhn, católica, nascida no dia 23 de abril de 1814, batizada no dia 24 de abril de 1814, em Niederweiler, perto de Soheren, no Hunsrück, na renânia Palatinado, ele veio a falecer no dia 09 de março de 1901 em Hamburgo Velho e ambos estão enterrados no Cemitério Católico de mesma localidade do falecimento, Maria Madalena era filha do imigrande João Adão.

Ainda faz uma citação de uma carta eviada ao autor, por Paulo Annes Gonçalves, de Porto Alegre, em que Henrique José Altmayer: Residiu em lote colonial no segundo Distrito de Sao Leopoldo, local entao denominado Hamburgberg. Este local encontra-se hoje tomada pela cidade de Novo Hamburgo, parte nova, embora contigua, a qual seurgiu mais tarde junto à estação de estrada de ferro, construída na planíce e a cousa de um quilômetro ou dois de Hamburgo Velho. A colônia que lhe pertencia e onde viveram está dentro do perímetro da cidade. Os trilhos do trem a cortaram pouco adiante da estação ferroviária. A casa ainda existente em 1958, e que foi construida no lote colonial por seu filho Jaao, está no perímetro urbano da cidade, à rua General Osório, número 49. Diz também Annes Gonçalves que o túmulo do casal encontrava-se, em 1956, ainda bem conservado no cemitério da Igreja Nossa Senhora da Piedade, em Hamburgo Velho.

Leopoldo Petry, em monografia Novo Hamburgo, página 101, informa que Jacó Altmayer fez parte da comissão construtora daquela igreja, iniciada em 1850, e que os terrenos para a igreja, o cemitério e a praça foram doados por Juliana Kremer, viúva de João Kremer e pelo próprio Altmayer.