Imigração Alemã > Acervo Documental > Biografias > Hugo Bernd



Hugo Bernd

Henrique Hugo Bernd nasceu em Novo Hamburgo, a 30 de março de 1891. Era filho de Felipe Bernd e Guilhermina Gertrudes Wolffenbüttel. Os ancestrais Bernd não haviam se estabelecido inicialmente nas colônias velhas, o avô de Hugo, Guilherme, possuía uma grande casa comercial em Itaqui, que teve que abandonar com a invasão dos paraguaios durante a Guerra do Paraguai.

A família mudou-se então para Novo Hamburgo. O avô além de ser comerciante trabalhava com venda de tropas de burros e cavalos. Como era bem conceituado em Porto Alegre, conseguiu empréstimos e abriu um novo negócio em Novo Hamburgo. Na época não existiam fábricas no Brasil e todas as mercadorias eram provenientes da Europa. Perfumes e enfeites eram importados da França, casimiras da Inglaterra, ferramentas da Alemanha, queijos, chocolates do Uruguai, sapatos da Itália e assim por diante. Os sapatos só eram usados em situações muito especiais como festas, bailes e casamentos. Fora disso usavam tamancos. As ruas eram de barro e muitas vezes era preciso ir ao baile com o sapato na mão.

Guilherme Bernd era um homem dinâmico e novamente teve sucesso nos negócios. Em seu comércio, Bernd vendia de tudo, desde grinaldas de noivas a ferramentas. Tudo importado. Era a primeira rede de lojas de Novo Hamburgo e região. Felipe Bernd, o pai de Hugo, que por sua vez herdou (junto com seus irmãos) os negócios de seu pai, não tinha o espírito empreendedor de Guilherme e quando a administração dos bens e finanças da família passou para suas mãos, Felipe encontrou dificuldades, perdeu muito dinheiro e se desfez dos bens antes de perdê-los.

Henrique Hugo, desde novo gostava de música, costumava cantar nos corais da escola e tocava muito bem violino. No tempo do cinema mudo, era Bernd que fazia o fundo musical do filme junto com sua irmã Diva que o acompanhava no piano. Na adolescência o jovem Hugo interessou-se também por fotografia artística, onde estudava luzes e sombras, fugindo, das fotografias convencionais.

Bernd tirava fotos das moças da sociedade, de seus familiares, de amigos, de paisagens. Tinha um dom especial para a arte e nunca cobrava pelas fotos. Aos 33 anos casou-se com Ida Maria Roehe. Quando o casal já tinha as duas filhas, Gertrud e Edeltraud, Hugo perdeu o emprego, pois trabalhava como contador na prefeitura de São Leopoldo. Com a emancipação de Novo Hamburgo em 1927, foi demitido.

Casado e com duas filhas para criar, Hugo ficou sem trabalho. Foi então que a esposa teve a idéia de comercializar o trabalho de fotos do marido. Surgiu assim o primeiro fotógrafo de Novo Hamburgo. Depois de iniciar seu trabalho como fotógrafo profissional, por problemas familiares, resolveu mudar-se para Erechim, onde tinha amigos. Instalou lá um estúdio fotográfico e conseguiu a representação da Renner, que fabricava as primeiras roupas sob medida (na juventude aprendeu o ofício de alfaiate com um amigo). As medidas eram tomadas e mandadas a Porto Alegre, onde a roupa era confeccionada, Bernd fazia a bainha das mangas e das calças, de acordo com o tamanho do cliente.

Casa de Bernd em Erechim na década de 1920

Na época da Segunda Guerra, para viagem era necessário um documento chamado salvo-conduto. Cada documento precisava conter a foto com a assinatura do portador. E em Erechim só havia o Foto Studio Bernd. De Erechim, Bernd mudou-se para Rio Caçador em Santa Catarina, onde, a convite de um amigo, começou o negócio de engenho de madeiras, que posteriormente não teve êxito. Nessa época Hugo foi convidado, por um amigo, que morava em Passo Fundo e admirava seu trabalho de fotógrafo, para colocar um Ateliê fotográfico naquela cidade. Passo Fundo apesar de ser uma cidade pequena, era uma cidade com pessoas muito ricas. Lá Hugo teve êxito com seu Foto Studio Bernd. O casal Bernd, ia fotografar as mulheres nos bailes e festas, e no dia seguinte elas esperavam ver suas fotos nas vitrines. Lá Hugo ganhava bastante e os negócios iam bem. Foi quando Ida ouviu falar que o conhecido Atelier Victória, de Porto Alegre estava à venda.

As filhas de Hugo Bernd, fotografadas por ele no ano de 1935 em Porto Alegre

Hugo e Ida, preocupados com a educação das filhas e querendo levá-las para a capital onde havia mais recursos, resolveram comprar o Atelier. Bernd transformou o estúdio que já era conhecido, em um dos mais procurados da época, já que não trocou o nome do estabelecimento e aprimorou seus conhecimentos de fotografia, produzindo montagens, cartões e outras imagens, utilizando técnicas que ainda não eram conhecidas no sul do Brasil. Era preciso recorrer à sala particular da casa para fazer espaço. Pessoas vinham do interior para se deixarem fotografar no famoso atelier. Este sucesso durou anos até que o casal, já com idade, resolveu se aposentar, e vendeu o negócio.